Jump to content

Search the Community

Showing results for tags 'ação'.



More search options

  • Search By Tags

    Type tags separated by commas.
  • Search By Author

Content Type


Forums

  • Mensagens da Warpportal BR!
    • Informações Importantes
    • Notícias e Novidades
  • Suporte
    • Dificuldades Técnicas
    • Perguntas e Respostas
    • Bug Report
  • Ragnarok Online
    • Bem-Vindo!
    • Geral
    • Guerra do Emperium
    • Quests e Eventos
    • bROWiki
    • Concursos
  • As Profissões de Midgard
    • O Eterno Aprendizado
    • Doram: Invocadores
    • A Justiça em Ação
    • O Tiro Certeiro da Natureza
    • A Luz das Trevas
    • O Poder dos Elementos
    • A Arte da Alquimia e da Forja
    • O Poder Divino
    • O Poder Interior
    • O Segredo das Sombras
    • Rápidos no Gatilho
  • Centro Comercial de Alberta
    • Valhalla
    • Thor
  • Guilda dos Artistas
    • Fanart
    • Fanfic
    • Vídeos e Screenshots
  • Descanse
    • Off-Topic

Find results in...

Find results that contain...


Date Created

  • Start

    End


Last Updated

  • Start

    End


Filter by number of...

Joined

  • Start

    End


Group


About Me


Biography


Location


Interests


Occupation

Found 2 results

  1. SUL DE PRONTERA - UMA HISTÓRIA VERÍDICA Não fazia mais do que vinte graus quando as nuvens dissiparam-se na capital de Rune-Midgard. Aos poucos, como uma tropa treinada, dezenas de aventureiros dirigiram-se para o sul de Prontera, atravessando um incontável número de lojas que preenchiam os apertados espaços das largas ruas. Arsênio tinha sérias dificuldades para realizar o percurso. Seu grifo, Penacho, mantinha as asas recolhidas e andava devagar para não pisar nas mercadorias. — Sabe, Penacho — começou o Guardião Real — o rei tinha que impedir o comércio no meio da via. Além de precisar ir em mínima velocidade, o Guardião era proibido de voar nos grandes centros. No caso de Penacho, isso não era problema, já que Arsênio e seus cento e vinte quilos tornavam o voo impraticável. Ele mesmo já não lembrava o que era voar, visto que, considerando que sua barriga quase encostava no chão, o máximo que conseguiria seria planar num ângulo reto até o chão. — Bom dia meu Paladino! — um mercador surgiu ao lado deles e caminhou próximo — Já cogitou dobrar sua vida? Tenho algo aqui que vai te surpreender! Sem nem olhar para o lado, Arsênio fez que “não” com a cabeça, balançando bastante seu elmo prateado. Antes que o mercador pudesse falar algo mais, foi empurrado por outro comerciante, este segurando uma espécie de malha de ferro. — VENDO ARMADURA COM CARTA PECO-PECO SOMENTE POR SESSENTA MILHÕES DE ZE... — antes de finalizar, Penacho desferiu um golpe, jogando-o longe. — Penacho! — gritou Arsênio — Para com esses ciúmes, velho! Penacho fez uma expressão de nojo para o céu, com os olhos fechados. Tinha muita inveja de Pecos, que Arsênio insistia em elogiar cada vez que via. — Tá bem, rapaz? — perguntou o Guardião, desmontando de Penacho. O homem caído juntava suas mercadorias enquanto passava uma das mãos sobre a cabeça, com expressão de dor em seu rosto. — Tá tudo bem, foi só uma pancada. Arsênio observou um filete vermelho escorrendo entre os olhos do homem. — Tá sangrando. — disse, apontando para sua testa. Num primeiro momento, ele, calmo, levantou seu braço e passou a mão entre as sobrancelhas. Ao ver o sangue, seus olhos saltaram e sua boca se abriu. — MEU SENHOR ODIN! — ele se ajoelhou, chamando ainda mais atenção para o evento. — Calma, amigão — Arsênio tirou um frasco branco da mochila que carregava. —Toma essa poção, vai ajudar. O comerciante pegou o frasco, abriu, disse um respeitoso “com licença”, virou-se, tomou a poção e voltou a encarar o Guardião. — Muito obrigado, aventureiro! Ajudou demais! — Nah, tudo bem. Não é a primeira vez que ele faz essas coisas — lançou um olhar para Penacho, que deu um grunhido, facilmente traduzível para “Pfff” — Entendo, acho — o mercador mexeu em uma velha caixa azul surrada. — O senhor não estaria interessado em comprar algum item barato? Vai me ajudar a pagar uma consulta para verificar esse ferimento... — olhou para baixo, triste. — Ah — Arsênio bateu as mãos em sua armadura, depois na capa, onde um alto tilintar de metal aguçou os sentidos de metade da cidade — Achei! Depois de enfiar meio braço dentro da velha pele de dragão que vestia, tirou um saco com mais moedas do que o pobre comerciante poderia contar, o que não é tanto assim, levando em conta que ele só sabia contar até cento e dois mil. — Tá, o que você tem aí? — Poções de velocidade de ataque, galhos secos, gatinhos para adoção responsável, diversas cartas raras, balas de guaraná importadas e algumas armaduras elementais — ele sorriu, amável. — Beleza, me vê aí três galhos secos. Quanto? — Cem mil zenys cada — meio que falou, meio que sussurrou, olhando desinteressado para o chão. — Dois por cem mil ou nada feito. — Ah... tá bom — o mercador pegou dois galhos da caixa e começou a enrolá-los num papel. — Outra coisa... se seus galhos não funcionarem, eu volto. E não vai ser legal. O homem, que um tempo depois Arsênio descobriu se chamar Pablo, parou imediatamente o embrulho do pacote, colocou os galhos calmamente de volta à caixa, abriu outra e pegou dois novos galhos, embalando-os em seguida. — Aqui está — entregou o emzpara o Guardião com uma expressão neutra em seu rosto. — Obrigado e tenha uma ótima manhã — ele voltou a montar Penacho — Espero que melhore logo do ferimento. A poção deve fazer efeito em breve. Assim que Arsênio seguiu caminho, o mercador tirou um pano de suas vestes, limpou o sangue que voltara a escorrer em sua testa e sentou-se. Pegou uma pequena bacia que utilizava como lixeira e jogou nela o pano manchado. De seu bolso, tirou um frasco que continha metade de um líquido vermelho e o guardou numa das caixas azuis. Do outro bolso tirou uma poção branca. Então sorriu. Um sorriso ganancioso, beirando a vulgaridade. Quase na saída sul de Prontera, Arsênio gesticulava para os últimos comerciantes. — O dinheiro daquela poção vai sair direto da sua ração — ele olhou para o bico de Penacho — Eu ouvi esse resmungo! — e atravessaram o portal. Campos verdes, um lindo céu azul e uma relaxante música de um Bardo compunham o cenário ao sul da capital. Dezenas de pessoas estavam sentadas na grama, conversando e observando inofensivos monstros saltitando de um lado para o outro. A brisa, calma e refrescante, fazia Arsênio respirar devagar. Ele desceu de Penacho e tirou uma manga suculenta da mochila, jogando-a para o alto. O grifo atirou-se à fruta e a engoliu inteira antes de seu impulso acabar. Seu retorno ao chão foi muito interessante, pois planou acima dos aventureiros até se distrair com um piquenique e bater numa grande árvore, que, por ser uma árvore que não levava desaforos para casa, soltou um grande galho ao chão. Logo abaixo havia um honesto e trabalhador vendedor de galhos secos. Ele percebeu o objeto e atirou-se para trás, desviando da madeira, que, por sua vez, esmagou sua sacola. Arsênio, como ótimo dono que era, fingiu não ver nada. O comerciante, ainda no chão, olhava para o local de impacto, horrorizado. Era possível ouvir o som de centenas de galhos rompendo-se, como plástico bolha sendo torcido. O velho homem correu em direção à cidade, olhando para trás o tempo inteiro, até desaparecer Prontera adentro. Arsênio, que mordia uma maçã verde, observava os acontecimentos, em especial o espetacular grifo gordo que vinha correndo em sua direção coberto de folhas secas, galhos enfiados no corpo e uma expressão de culpa no rosto. Vários mercadores olhavam para Arsênio, que passou a mão no bico do animal e deu fez alguns afagos em sua cabeça. — Olá, grifo bonito! — disse, como se o visse pela primeira vez — Está perdido? Pobrezinho... Um galho seco mantém um monstro aprisionado, e é um item muito comum no mundo de Rune-Midgard, podendo ser encontrado no corpo de diversos monstros. A criatura presa no galho, no entanto, não pode ser escolhida. Ao quebrá-lo, a essência é libertada e o monstro consome toda a energia do objeto para tomar forma. Tudo isso acontece quase que instantaneamente. Agora, no campo, centenas de monstros eram libertados da sacola que o tronco esmagara. Eles tinham formas e tamanhos diversos. Sua primeira ação pós invocação era sempre procurar o primeiro humano que encontrasse e atacá-lo. Não precisaram nem se mover. Uma mulher trajando uma vestimenta que mesclava branco, vermelho e laranja aproximava-se das centenas de monstros aglomerados, que já a miravam com sede de carne e sangue. Ela caminhava devagar, de pés descalços e óculos escuros, esbanjando um sorrisinho no rosto. Ao contrário do que se poderia pensar de alguém que anda descalço, seus pés estavam muito bem tratados e suas unhas bem-feitas, com um brilhante esmalte preto. Anos mais tarde, "packs" de fotos lhe renderiam uma fortuna. Existem algumas dúzias de teorias que tentam explicar as razões que levam os monstros a atacar assim que são invocados, mas a mais popular diz que as almas vazias das criaturas procuram o primeiro suspiro de vida que sentem, para sugar e absorver sua energia vital. Estava claramente difícil absorver a energia vital daquela mulher. Ela estava remansada no meio de todos os monstros sem fazer nada. Socos, chutes, arranhões, magias horrendas e mordidas... tudo era inútil contra ela. Sua pele emitia uma aura pesada e parecia ser feita de um material tão resistente quanto aço. Ela olhou para cima a tempo de ver uma enxurrada de flechas cair em sua cabeça. A maior parte das criaturas caiu morta, enquanto outras agonizavam com a dor das perfurações. O campo jazia encharcado de sangue. — Lento. — Rs... — o Sentinela, arqueiro de elite, baixou seu arco — Abusada. Ela socou os que restavam vivos. Arsênio estava perscrutando o combate enquanto mascava um imenso pedaço de bolo, e percebeu, próximo a ele, sussurros de um bruxo com uma das mãos esticadas e olhos fechados, em irredutível concentração. — NEVASCA! — Berrou, enfim. A magia invocou uma tempestade de neve com ventos concentrados, atingindo a área onde antes havia monstros. A Shura fitava-o, com as sobrancelhas brancas de neve. — Putz — ele olhou para a área da nevasca — não deu tempo. — EU NÃO ACREDITO! — a voz invadiu os ouvidos de todos. A Shura agachou-se e segurou o pé direito com as mãos. Sua aura foi aumentando de intensidade. O Sentinela montou em seu imenso lobo e partiu para a cidade. Mais à frente, uma Cigana aproximou-se do animado Bardo, que seguia entoando uma alegre canção, e disse algo em seu ouvido. Ele concordou e parou de tocar seu baixo. Ela retirou uma guitarra de sua maleta e, com um aceno de cabeça mútuo, entoaram uma frenética e sinistra música que correu o campo, reverberando das cordas do dueto. Todos olhavam em uma única direção, curiosos, apreensivos, e, no caso de alguns Arruaceiros, sorridentes. — Eu paguei doze milhões por essa pintura — ela disse, baixinho e encarando o bruxo com um olhar estranho. — Olha — começou ele, gesticulando e tentando manter distância — foi mal, desculpa mesmo, eu não te vi no meio deles! A Shura, ensandecida, mal ouvia as distantes palavras. Passo a passo, caminhava na direção dele, que recuava. — FORAM — cinco rutilantes esferas azuis surgiram à sua volta — TODAS — ela socou o chão e as esferas sumiram — AS MINHAS ECONOMIAS — as esferas voltaram a rodeá-la — DO MÊS! Num piscar de olhos, ela saltou até ele com inconcebível velocidade, deixando-os cara a cara. Ela rosnava enquanto ele suava, numa rima nervosa entre olhares incongruentes. Antes que ele pudesse falar qualquer outra coisa, ela desferiu um soco tão forte que fez o ar aquecer ao redor do punho. Conhecido como “Punho Supremo de Azura”, a habilidade mais poderosa que os Shuras possuíam tinha um poder tão destrutivo que era difícil acreditar que pudesse deixar um simples Bruxo vivo. Um dos sorridentes Desordeiros que os observava deixou escapar uma exclamação de surpresa quando ele abriu seus olhos, ileso. A Shura, pasma, viu uma espécie de barreira rosa desvanecer ao redor dele. — Não é prudente atacar sem bons motivos — disse uma voz, aproximando-se — Ainda mais quando se trata do meu aprendiz. Em meio aos aventureiros e mercadores, um homem caminhava na direção dos dois. Suas vestes esverdeadas e seus longos cabelos brancos eram um claro sinal clichê de que se tratava de uma pessoa poderosa. A Shura mirou-o por alguns segundos e invocou suas esferas, que haviam sido utilizadas na conjuração do Azura. Dessa vez, eram quinze esferas ao invés de cinco. — Cautela. — Sugeriu o Arcano, retirando de suas vestes um cajado longo, decorado com bolas de tecido que lembravam pelos de animais. Após bater sua ponta no chão, uma espécie de “mar” formou-se numa área de pelo menos três metros ao redor dele. A água se agitava, estourando pequenas ondas em uma barreira transparente, enquanto ele, imóvel, encarava-a. Algumas pessoas próximas à água afastaram-se um pouco e sentaram para assistir o grande espetáculo que estava se formando. Arsênio não estava confortável com a situação e até já pensava em intervir. Penacho, por outro lado, rolava na grama na tentativa de limpar-se da terra e pedaços de madeira que haviam se prendido após o acidente. Alguns pequenos estouros preenchiam o ar junto à música do dueto, e um cheiro gostoso invadia as narinas dos expectadores. A Shura, Vicky, sorria enquanto ia na direção do Arcano. Ele ergueu o cajado, emergindo dezenas de globos azuis cintilantes da água. — Sério? — ela, debochada, socou o chão pela segunda vez, conjurou mais quinze esferas, esticou o braço direito com a palma aberta e fechou-a depressa, fazendo seu entorno vibrar. As novas esferas já haviam desaparecido e ela parecia ainda mais forte, emanando uma aura visível com raios que saltavam continuamente. Ele devolveu o sorriso e ergueu a mão vazia, trazendo à tona o dobro de esferas que já estavam flutuando acima dele. Por alguns segundos, houve silêncio e apreensão, seguidos de uma voz que falava baixinho, perto dali. — Pipoquinha? Duas por quinhentos zenys. — Pablo mostrou dois saquinhos cheios de pipoca para um grupo próximo às árvores. — E que tal um desconto? — o rapaz sorriu, irradiando malandragem. — Ahm... nem dá. Tô vendendo quase pelo mesmo preço que paguei... Outros do grupo levantaram-se. Pablo sentiu um horrível arrepio quando, às suas costas, ouviu um sussurro ao pé do ouvido. — Sabe o que seria interessante? — antes que pudesse responder, a voz prosseguiu — Dez por cento de desconto pra geral. Pablo virou-se, mas não havia ninguém ali. Quando tornou a olhar para frente, havia dez arruaceiros colados nele, encarando-o com sorrisos venenosos. — De repente — começou o mercador — até dá pra fazer uma oferta especial. — E soltou uma risadinha nervosa enquanto enchia pacotinhos com pipocas. Arsênio não tirava os olhos da cena à frente, calculando maneiras de parar aquela loucura sem apanhar. Isso até Penacho grunhir ao lado de seu ouvido, fazendo com que o pobre Guardião levasse as duas mãos ao ar, num patético movimento assustado. Não poderia ser culpado pela reação, já que o mais sigiloso sussurro do grifo parecia uma parceria entre um cachorro e uma águia cantando Linkin Park num megafone. Não se deixando distrair pelos acontecimentos, os dois aventureiros seguiam se encarando, numa guerra fria. — Peço desculpas pelo meu aprendiz — o Arcano silenciou por alguns segundos e concluiu — Não sabíamos que seu esmalte era tão vagabund0. Foi essa a faísca necessária para iniciar as coisas da forma mais feroz possível. Vicky, com um grito, saltou até a frente do Arcano, que invocou um escudo que logo desvaneceu. Ele disparou os globos de água envoltos de magia na direção dela, que não desviou, mas também não pareceu ferir-se no estrondoso impacto de cada um deles em seu corpo. Ela aproximou-se, rápida, e socou o peito do Arcano, lançando-o ao chão, que se elevou, amaciando sua queda. Em seguida, rolou para o lado, desviando de outro rápido soco desferido com tanta força que esmigalhou o bloco de grama e terra que ele havia erguido. Sem tempo para pensar, saltou para trás, escapando de um chute rápido. Lançou uma barreira de fogo que a atrasou por alguns segundos, com chamas espessas que impediam sua passagem e a empurraram para trás. Não demorou nada até ela atravessá-la com uma assustadora cabeçada. O Arcano já a aguardava no outro lado. Ela tentou saltar até ele, mas foi impedida por uma barreira azul, que a enquadrou. — Verme mágico — Urrou ela. Ele, com as duas mãos erguidas, iniciou uma conjuração complicada. Suas vestes estavam sendo sacudidas por um vento repentino, que também tratou de esvoaçar seus lisos e sedosos cabelos, para fazer de cada conjuração um momento muito especial. Penacho enchia a paciência de seu Guardião, esfregando o bico em seu ombro. — Quieto Penacho! Estou olhando os caras ali. — ele afastou a cabeça do grifo com as mãos — Te distrai com essa maçã aqui. — e jogou a maçã longe. Penacho correu para pegá-la. Arsênio sentiu um desconforto próximo, do tipo que aparece quando comemos algo perto de alguém que está com tanta fome quanto você, e retirou mais duas maçãs da mochila. — Quer uma maçã? — Vou aceitar. — respondeu o Bruxo, que estava sentado alguns metros para o lado e por muito pouco não correu junto à Penacho para tentar disputar a fruta lançada. O som dos punhos socando a barreira invisível se misturava à melodia sinistra que o dueto entoava. Pablo, amarrado à uma árvore, tentava negociar condições. — Gente, eu faço por cem zenys cada pacote — iniciou — Não vamos brigar por dinheiro, certo? O bando de arruaceiros o ignorava enquanto comia pipocas do carrinho e assistia o céu escurecer. — Rápido — falou Arsênio para o Bruxo — Vem pra cá! — e o puxou para junto de si, elevando o escudo para o alto, irradiando auras defensivas. Penacho, distante deles, roçava suas costas no tronco de uma árvore. — Cinquenta zenys — Pablo fechou os olhos — E é o máximo que posso chegar! — quando voltou a abri-los, os saquinhos de pipoca flutuavam, mas nenhum dos Arruaceiros estava visível. O dueto rapidamente trocou a melodia, num novo som que criou uma esfera ao seu redor. Acima de todos, um colossal cometa dirigia-se à área, mais precisamente à Vicky, que cruzara os braços. — Da próxima vez me avisa, que eu faço uma hidratação no cabelo enquanto você conjura. O Arcano não parou de murmurar palavras esquisitas, mas uma sobrancelha arqueada e uma veia saltada em sua testa expuseram sua raiva pelo comentário sarcástico. Alguns Cavaleiros e Sacerdotes corriam para retirar aprendizes novatos da área de impacto. Os aventureiros que decidiram ficar já haviam se protegido com habilidades diversas. O ruído do cometa fazia as árvores sacudirem e a terra tremer. Próximo ao dueto, um homem de meia idade xingava um sacerdote novato. — Sabe nem dar escudo. Vá tomar no c... — O som do cometa abafou sua voz. A escuridão do campo e o calor da pedra colossal formada por magia pairava sobre os aventureiros quando, súbito, sumiu. A luz voltou a dominar o lugar. O cometa desapareceu no ar. — Já chega — disse, calma, uma voz doce — Você parece meio desconcentrado — e olhou para o Arcano. — Metida! — Ele apontou o cajado para ela. Um tapete lilás mágico cobriu o chão numa imensa área onde pisavam. — Sem magia, querido. A Shura, vendo-se livre do exílio, correu para cima do homem, mas algo pareceu extrair todas as suas forças, retirando suas auras e esferas. — Você também — a Feiticeira mirou Vicky por cima do ombro — Se tentar alguma outra coisa, além de desencantar, vou te petrificar até o fim do dia. — Sentenciou. — Humpf — A Shura deu as costas aos dois — Não vale a pena mesmo. Quando der mais atenção à sua conjuração do que ao seu cabelo oleoso, voltamos a conversar. — Não retruque — Aconselhou a Feiticeira ao homem. Ele, tomado pelo orgulho ferido, pegou um jellopy do chão e o jogou na direção dela. — TOMA ESSE JELLOPY PRA TE AJUDAR A PAGAR PRODUTOS DECENTES, CHINELONA! Ela parou por alguns instantes, mas continuou logo em seguida. — Fechou o Stand-Up de hoje? — a feiticeira baixou a cabeça, olhando por cima de seus óculos vermelhos. — Tsc — ele puxou um pequeno recipiente dourado do manto, retirou uma pequena asa rosada de dentro dele e guardou-o — Não falte ao treino amanhã! — gritou. O jovem ao lado de Arsênio levantou-se prontamente — Torre de Geffen às 05h! O Arcano, então, esmagou a asa fechando sua mão, sumindo logo em seguida. — Acabou o show pessoal, podem voltar ao normal. — disse ela, batendo palmas. Dezenas reapareceram no campo, desfazendo suas defesas. O dueto apertou as mãos, profissionalmente, e o Bardo voltou a tocar uma feliz melodia enquanto a Cigana guardava sua guitarra. Os Arruaceiros reapareceram de seus esconderijos mágicos, e, como a maioria já havia acabado de comer as pipocas, juntaram e puseram os saquinhos vazios no carrinho de Pablo. — Que irônico vocês juntarem o lix0 — resmungou ele, ainda amarrado. Um dos homens olhou para o mercador e caminhou até a árvore em que estava preso. Com um golpe rápido de adaga, desamarrou-o. Em seguida, caminhou até o carrinho e depositou várias moedas ali. — Bom... valeu. — disse o comerciante. Pablo pegou o carrinho e seguiu para Prontera, feliz. Mas esse sentimento infiel só durou até perceber, alguns minutos depois, que o dinheiro depositado no carrinho era o seu próprio, roubado de seu bolso. Um sacerdote surgiu do portal da cidade, olhou à volta e retornou para a capital, reaparecendo em seguida com diversos aprendizes. — Bom... — Arsênio levantou-se, vagaroso — hora de voltar ao trabalho — disse, pegando a mochila e equipando-a — PENACHO! BORA! — gritou, caminhando até o portal. O Grifo ainda rolava no chão, distante, mas foi ao encontro do Guardião assim que chamado. Ele grunhia, reclamando. — Qual foi? — questionou Arsênio, analisando o corpo do grifo. Penacho abanou as asas e apontou para as costas com o bico. — Espera aí. — ele esticou o braço, enfiando-o entre as penas do animal — Ahá! Achei! — e fez força para puxar algo — Não quer sair! O Guardião posicionou-se melhor, e, com as duas mãos, puxou. Quando fazia extrema força e o grifo já resmungava de dor... saiu. E voou longe, fazendo Arsênio cair. O pedaço de madeira vermelho e espinhoso caiu no meio de várias pessoas que conversavam sobre a batalha que passara. Um Poring, criatura inofensiva e conhecida por pegar tudo o que há no chão, saltitou rápido e engoliu o galho, mas uma espadada o partiu ao meio. Um dos aprendizes o havia atacado. O menino ficou muito contente pelo golpe, mas o som de madeira se partindo não era normal. Um círculo negro e relampejante expandiu-se até ficar com a altura de um humano, e, na mesma velocidade que cresceu, contraiu-se e sumiu. Em seu lugar havia algo. Com uma aura fantasmagórica e olhar cinzento, uma criatura vestida com uma sobrepeliz forrada de lã e um cajado negro fitava todos. Os aventureiros estavam paralisados, sem saber como reagir. As conversas foram silenciando uma após a outra e ninguém arriscava qualquer movimento. O aprendiz, caído sentado com o impacto da invocação, olhava-a, estremecido. Antes que pudesse correr, cuspiu sangue e foi alçado por uma lâmina comprida que atravessara seu pescoço. A criatura revelou-se e ergueu o aprendiz para o alto, sentindo o sangue quente escorrer pelo seu braço. O grupo de Arruaceiros ficou invisível o mais rápido que pôde, mas um deles se debatia, preso pelo braço por algo que não podia ver. Uma lâmina de adaga o degolou devagar, fazendo sangue espirrar no rosto de várias pessoas. Seu assassino era uma versão cinzenta deles, sem expressões faciais nem compaixão. A primeira criatura, Arquimaga, estendeu os braços para frente. Atrás dela, um a um, foram surgindo espectros como ela, de diversas classes, vazios e calados. — Psiu — sussurrou Arsênio para Penacho. O grifo virou a cabeça devagar, com olhos arregalados de medo. Com um passo calmo e silencioso para o lado, os dois entraram no portal para Prontera. ~~Obrigado por apreciarem a história até o fim. Caso tenham ilustrações para enviar e ajudar a deixá-la mais rica, sintam-se a vontade para me procurar. Dicas, ideias e sugestões, podem me mandar mensagem por aqui ou no Discord oficial. Ótima leitura! Obs: Comentem as referências que encontrarem! Vamos ver quem as acha hihi.
  2. 1 A mercadora e a Criadora LadyTetra é uma jovem que perambulava por Rune-Midgard. Após se tornar mercadora, ela exerceu sua principal função, em Prontera Sul, realizando diversas vendas. Mas um dia cansada desta vida de vendedora, ela resolveu mudar sua profissão. Em seus passeios pelo continente, encontrou uma linda mulher com cabelos verdes trançados e uma capa vermelha sobre seus ombros, trazendo um carrinho decorado com belas flores portando inúmeras poções. Curiosa aproximou-se tentando puxar assunto. – Olá. Sou LadyTetra, desculpe o incomodo. Notei seu carrinho. Você também é uma mercadora? – Não mais. Hoje sou uma cientista! Disse a mulher. Lady ainda não conhecia bem sobre as profissões existentes, então ficou ainda mais curiosa. – Mas para ter um carrinho, não tem que ser um mercador? – Sim, porém eu já passei por esta fase. Depois de muito estudar, eu me interessei pela ciência da criação de poções e hoje sou uma Criadora. Tenho amigos da mesma área que eu, mas que se especializam em outras coisas. - Invoca seu Homúnculos – Veja, este é o Bob. Ele é uma criação de uma amiga minha que se especializou em vida artificial. Bob era uma gelatina com olhos. De certo, uma figura estranha que se movia sozinha mas que não parecia demonstrar nenhum tipo de pensamento. Notando o interesse da garota, a Criadora continuou. – Existem outros diversos tipos de Homúnculos que podemos utilizar, você pode escolher qual quiser. Mostra um catálogo com todas as criaturas em posse da guilda dos alquimistas. – Nossa, que lindo este carneirinho. Quero um pra mim. Disse Lady. Percebendo que conseguiu convencer a jovem, a Criadora soltou um leve sorriso e a convidou para conhecer a guilda dos alquimistas. Seguindo viagem para a cidade de Al de Baran, Lady foi levada até a guilda onde conheceu pessoas bem excêntricas, estudiosas, e de certa forma com um pouco de loucura ao seu redor. Com a decisão tomada, a jovem estudou por algumas semanas até que conseguiu passar no teste para se tornar uma cientista. Logo após sua vitória, procurou imediatamente pela criadora para conseguir seu almejado carneirinho. A criadora começou a ser tutora da pequena Lady, e se pôs a ensinar os caminhos da ciência. Mas Lady não se interessava em criar poções, ela queria se aventurar pelas cidades e feudos, descobrir terras novas, entrar em cavernas escuras e encontrar itens valiosos. E a criadora reconheceu este desejo. Após alguns meses de treinamento ao lado de seu carneiro, apelidado carinhosamente de Nanna, a alquimista LadyTetra foi promovida a criadora pela sua experiência em combate e aventuras. Ao tornar um Criador, obtêm várias vantagens como permissão para utilizar a biblioteca secreta, entrar em salas antes trancadas, e ficar a par de informações mais escondidas da guilda dos alquimistas. E foi através dessas vantagens que Lady descobriu sobre uma possível ameaça que estava se espalhando. 2 A reunião Uma manhã durante seu estudo sobre a criação de plantas artificialmente vivas, ela ouviu na sala ao lado uma pequena reunião dos altos patentes da guilda. Os Bioquímicos. Nesta reunião, eles pareciam meio furiosos com as pessoas do continente. Diziam ser menosprezados e chamados de cocotos, simplesmente por inveja da sua ciência, que provia um grande arsenal para batalhas. Mesmo com um certo grau de inteligência, muitos não sabem o real significado da palavra “Cotoco” mas mesmo assim é uma palavra muito utilizada pelos cidadãos runi-midgardienses. Com sua curiosidade que mataria qualquer Doram. Lady aproximou-se das paredes e começou a ouvir mais da reunião. As pessoas nela realmente estavam irritadas, e foi decidido convocar todos os membros da guilda dos alquimistas para uma reunião geral imediata. Lady também recebeu o convite. “CONVIDAMOS A TODOS OS MEMBROS PERTENCENTES A GUILDA DOS ALQUIMISTAS PARA A GRANDE REUNIÃO GERAL. SUA PRESENÇA É OBRIGATÓRIA, E SUA FALTA SERÁ PUNIDA. O ENCONTRO SERÁ NA PRIMEIRA NOITE DA PRÓXIMA LUA MINGUANTE NA CIDADE GELADA DE LUTIE.” Por toda Midgard o burburinho se espalhava sobre os alquimistas estarem tramando algo. Era possível ver por todos os mapas pequenas reuniões de membros da guilda discutindo sobre o que aconteceria no futuro. Muitos deles ainda não tinham ideia do que estava acontecendo, e a carta recebida para o encontro passava uma certa desconfiança. Passaram-se duas luas, e a noite minguante se aproximava. Apreensiva, Lady contatou sua mentora, que já era uma Bioquímica. – Ola mestra. Estou um pouco incomodada sobre esta reunião. Confesso que ouvi algumas histórias e não gostei de seu desfecho. – Ola Tetra, a reunião será para tratar de assuntos muito importantes. Nossa guilda está passando por alguns problemas com outras pessoas e precisamos resolver isso de uma forma que tenha mais notoriedade. Por favor venha a reunião e tudo será explanado. - Disse a mestra. 3 A revelação Sem alternativas, e com a chegada do novo dia. Lady seguiu viagem para Lutie, onde encontrou a cidade lotada de alquimistas e suas promoções, com diversos homúnculos de todos os formatos. Lutie era uma cidade temática natalina. Havia neve por todo lado, e sua população gentil foi retirada do local para não vazar fatos sobre o que ocorreria ali. Subindo num palco improvisado, o líder da guilda dos alquimistas se pôs a falar. – Meus caros amigos e colegas. Já é do conhecimento de todos a forma que somos tratados por toda a terra de Midgard. Somos exilados, menosprezados, e nossas crianças sofrem bullying. Já basta de passar por essa humilhação. Somos a guilda que detém o maior conhecimento. Somos os confeccionadores que distribui poções por toda a vastidão desta terra e ainda assim não somos reconhecidos como devemos. Já está na hora disto acabar. Vamos mostrar a eles o que a nossa tecnologia é capaz. Vamos dar aos cidadãos midgardianos um gostinho do terror que podemos causar. Por todo lado ouvia-se gritos e ovacionamentos. A maioria dos presentes já teve algum desentendimento por conta dos maus passados. Era uma coisa terrível, mas era verdade. Os alquimistas vem sofrendo e não é a pouco tempo. Mas mesmo sabendo disso, Lady não apoiava um ato que fosse tão cruel quanto, afinal isto não os tornariam melhores, e sim iguais ou talvez ate piores. Houve diversas discussões durante a reunião e decisões foram tomadas. De imediato os membros já começaram a se preparar. Juntando seus materiais, poções explosivas, ácidos, galhos secos, galhos sangrentos… Algo de muito ruim estava pra acontecer e repercutiria muito. 4 A decisão LadyTetra, uma criadora, membro da guilda dos alquimistas, estava estudando para se tornar uma Bioquímica, e sem escolhas, fazia parte de todos os acontecimentos. Mas sua índole não permitia isto. Em seu subconsciente, ela sentia-se mal por tudo que estava por vim. De pronto, decidiu alertar a população. Com pequenas mensagens não tão direta, ela falava sobre a guilda está tramando algo. Mostrava os acontecimentos estranhos em Prontera sul, que acabavam com as mortes de muitos mercadores por congelamento. A população começou a entrar em pânico. Todos sabiam do poder dos alquimistas, e que se eles decidissem algo, ninguém poderia parar-lhos. Tudo estava fadado ao fim. Já era previsto uma catástrofe, e Prontera estava sem um rei. Medidas preventivas não poderiam ser tomadas sem um comando. A guilda dos espadachins sabendo deste fato, tomaram uma rápida decisão de impor o comando militar. Cavaleiros e templários resolveram assumir o controle de Prontera, decretando lei marcial, e protegendo-a. As famílias que estão disputando o trono tentaram se impor, mas os espadachins afirmaram que ainda não são maduros o suficiente para intervir. Os políticos de Schwarzwald estão bem decididos e acreditam que não devem se preocupar pois confiam na sua tecnomagia. Assim como os sacerdotes acreditam que Freya os protegerão, no reino de Arunafeltz. 5 O Ataque O primeiro movimento dos alquimistas foi realizado. Uma queima em massa de galhos secos no reino dos esporos, onde treinam os novatos. A população de Payon entrou em pânico. Nunca haviam visto tantos monstros diferentes de uma única vez. As florestas ao redor da cidade devem permanecer inabitadas por dias, até semanas, devido a enorme quantidade de monstros, o que dificulta muito para os aventureiros limpar a área. Prontera Sul ficou em alerta, pois sabiam que seriam os próximos. Passou-se algumas semanas e nenhum ataque foi notificado. A população se acalmou, porém este foi seu erro. Era fim de tarde, quando a vila dos orcos foi destruída por um mar de monstros que saiam atropelando tudo em seu caminho. Ao longe era possível ver os alquimistas passando com seus carrinhos sobre diversos galhos secos, esmagando-os. Muitos bebês orcs pereceram, o que afetou bastante na ecologia do local. Simultaneamente também foi atacado os arredores de Rachel, onde os mais destemidos aventureiros caçavam os terríveis Roweens. Mas logo retornou a sua normalidade. A noite se aproximava, e alguns Bioquímicos circundavam Prontera. Ali era o local onde mais sofriam. Guardiões Reais montados em seus grifos e portando suas brilhantes armaduras prateadas e douradas. Cavaleiros em seus impetuosos dragões, caçadores utilizando sua visão para identificar o número de inimigos, ao lado de seus lobos. E um bardo, parecia bêbado, cantando uma canção estranha, segurando uma garrafa e um violoncelo. Todos se preparavam para o ataque. Sacerdotes conjuravam proteção para as muralhas da cidade; os mercadores foram evacuados; lutadores da igreja de Odin chegavam exibindo seus corpos musculosos envolto num tecido branco estampado com chamas. Prontera estava cercada. Neste momento, LadyTetra estava em uma hospedaria de Izlude, e não fazia ideia do que estava acontecendo. Uma fenda se abre no portão de Prontera e todo o chão começa a tremer. Assustados todos olham e avistam uma legião de enormes robôs passando pela fenda e se prostrando em frente aos portões. A guilda dos mecânicos veio ajudar. Era surpreendente a quantidade de membros do exército dos alquimistas. Porem a aliança de Midgard também não ficava para trás. Havia gente de todas as cidades, várias guildas se juntaram para defender suas casas. Um grande embate estava para começar. 6 A Guerra O líder Bioquímico deu um passo a frente e contou tudo que já havia passado nas mãos dos midgardianos. Sua frustração era clara e seu ódio era visível. Mesmo o líder dos espadachins tentando, não foi possível convencer-lhos a reconsiderar. Foi proposto uma anistia, mas a este ponto, a batalha já estava inevitável. Sacando de seus carrinhos, os alquimistas começaram a arremessar poções, que ao tocarem o chão explodiam deixando um rastro de fogo. Cavaleiros eram queimados por poderosos ácidos, e estremeciam de dor. Os lutadores partiam para cima utilizando golpes com suas palmas, nocauteando vários inimigos, mas não era suficiente. O ataque continuara. Atiradores de elite matavam um a um com flechadas certeiras no coração. Ambos os lados estavam perdendo pessoas. Frascos eram arremessados, mas por algum motivo nenhum acertavam o bardo. Ele cambaleava, com sua garrafa na mão, seu pesado violoncelo para cima, e nenhuma gota de sua bebida caia. Os guardiões entraram na batalha. Sua armadura os protegiam dos ácidos, mas o calor infernal das poções de fogo os atrapalhavam. Mesmo assim com suas afiadas lanças, penetravam o corpo de diversos criadores. As planícies que antes eram verdes, tornaram-se vermelhas. A batalha durou horas, e o sangue só aumentava; nenhum exercito cedia. Os membros da cidade de Geffen eram contra esta guerra e não se aliaram a nenhum dos lados. Mas toda aquela comoção estava atrapalhando seus estudos sobre os elementos da natureza. Foi então que o líder da guilda dos bruxos resolveu intervir. Já estava amanhecendo. O sol nascia e o dia clareava. O chão estava escarlate. A luta era intensa, e o dia claro de repente escureceu novamente. Os mais desavisados não entenderam o que tinha acabado de acontecer. O clima mudou totalmente, quando um jovem mecânico grita: – Corram, os magos chegaram. Na mesma hora a batalha para. Todos se entreolham e pensam em fugir. Quando dão as costas e tentam correr, enormes barreiras de gelo os contem. Barreiras de fogo os queimam. – Estamos presos. Disse o líder dos Espadachins. – Agora, tudo isto foi por nada! Exclama o líder dos Alquimistas. O ar ofegante dos guerreiros saem como névoa de duas bocas. O suor de todos começa a congelar. A multidão em pânico tenta se mover, mas seus pés estão petrificados. Jovens que antes sedentos por sangue, agora estão assustados. Numa brilhante luz, desce planando como um anjo uma linda garota de cabelos azuis. Utilizando uma túnica preta, e um cajado que brilhava como a luz da lua. Ela diz duas palavras: – Jack Frost! Todos ao seu redor são imediatamente congelados. Os lutadores de Odin tentam quebrar o gelo com o poder de seus espíritos, mas é uma tentativa em vão. O congelamento era poderoso de mais. A graciosa Arcana recita com sua linda voz: – Vocês entraram numa guerra sem sentido. Profanaram as terras de nossos ancestrais. Destruíram florestas. Acabaram com os animais, com os orcs e desanimaram os aventureiros iniciantes. Agora receberão a pior punição por seus atos. A morte não será suficiente! Hell Inferno. Todas as pedras de gelo contendo ambos os exércitos começam a queimar com um fogo negro. Havia gritos por todos os lados. Muitos rolavam no chão. Outros tentavam parecer fortes. Mas todos estavam sofrendo queimaduras dolorosas de uma chama que não se apagava. A chama os queimou por um dia inteiro, muitos desejavam a morte, porém a arcana comandava aos sacerdotes para que não permitissem que ninguém morressem, apenas sofressem. – A batalha, acabou! Exclamou a maga. LadyTetra acorda de seu sono que levou um dia e duas noites. Ouviu alguns barulhos durante, porém com sua preguiça não quis levantar para ver do que se tratava. Ao sair pela cidade de Izlude, via várias pessoas feridas e não entendeu o que estava acontecendo. Partindo para Prontera, encontrou a cidade em um caos. Não havia mercadores realizando vendas. Todos a olhavam de forma estranha, afinal ela era uma criadora. Mas ninguém ousou falar uma palavra sequer. Prontera sul estava em maus bocados. A terra antes plana, agora estava esburacada, com poças de sangue apodrecendo. Corpos de pessoas empilhados em um canto. Parentes próximos dos mortos chorando. A visão era triste de mais. O que passou, agora ficaria na mente de todas as pessoas do reino por muito tempo. Tudo causado apenas por maus tratos a uma profissão. Alguns dias depois, ainda sentindo dores das queimaduras, o líder dos espadachins em seu escritório exclamou: – Isto não vai ficar assim. Os magos irão nos pagar. Ouvindo a história de tudo que ocorreu, pela senhoria da pensão, Lady pensou consigo: – Os magos não perdoam.
×
×
  • Create New...

Important Information