Jump to content
DiegoMaxuel

Aventuras num presente em transição...parte3: Ano de 5098 D.G.

Recommended Posts

 

Ano de 5098 depois da Guerra, Dimensão Desconhecida, 4 horas após o incidente em Geffen”

 

Seraffyh abre um de 10 tomos numa prateleira qualquer, o livro era velho e surrado, a tinta das letras começava a se pagar, ele senta frente a uma escrivaninha e começa a ler as primeiras páginas.

 

TOMO I (…) Introdução: Odin, Senhor de Todos os Outros, mestre da sabedoria, sábio da guerra e desbravador da morte, em Asgard, no palácio de Valaskjalf, tinha acesso a cada um dos nove mundos, graças ao sacrifício pessoal de uma parte de seu corpo. Entre sua prole estavam Thor, Tyr, Vidar, Herod, Vali, Njord, Bragi, Heindal, Vidor, além das Valquírias e inúmeros outros filhos pelo universo.

Odin conduziu os deuses e os homens contra as forças do caos na batalha do fim do mundo, o Ragnarok. Nessa batalha o pesadelo do começo de nossa era monárquica caiu, ao custo do sacrifício de Thor, embora saibamos que não era o fim daquele temível ser, que ainda seria o responsável pela maldição dos Gaebold, após a luta de Tristan I, junto dos outros 6 guerreiros lendários, supremos representantes das classes existentes à época, um sacerdote, um caçador, um ferreiro, um mercenário, um bruxo e um cavaleiro.

Nosso saudoso rei Tristan III, antes de virar um morto-vivo, tentou retirar a maldição de sua linhagem, e recrutou clérigos para a tarefa, como sabemos foi em parte um fracasso, e um dos responsáveis se exilou na Ilha Sem Nome, mas não sem antes pedir para que seu filho, fruto de um amor proibido, fosse protegido aos cuidados da instituição religiosa de Prontera.

Esse livro resgata toda a história que sabemos dos deuses que nos governam.

 

Seraffyh logo se desinteressa, nada que ele não tivesse já estudado como arcebispo. Pega então o segundo livro, mais fino, e abre no meio das páginas.

 

Tomo 2: (…) e foi no período de expansão colonial que a monarquia enviou seu maior cavaleiro, Pedro Árvores, para partir de Alberta com 14 embarcações, para fins de estabelecer relações comerciais com região distinta.

No trajeto, o mar fica tormentoso, os poucos registros relatam que o sol tornou o céu vermelho e uma tempestade muda a rota dos navegadores, que viam no mar seres gigantes e monstros aos quais não havia registro, interessante notar que uma das descrições citava uma serpente enorme que teria sido a responsável pela destruição da décima quarta embarcação. Com vergonha de relatar a história de que um ser fantasioso foi responsável pela destruição da embarcação mais poderosa à época, mudaram os registros, e a história só relata que 13 embarcações saíram de Alberta.

Assim foi fundada Brasilis, com a miscigenação dos nativos da região e os navegadores, que só voltaram após 2 anos, e ainda assim, dizem que é um lugar mágico, e quem lá vai nunca mais sente vontade de voltar (…)

 

Aquilo parecia ser um compilado de histórias do surgimento das cidades, nada que interessasse Seraffyh, que pega o terceiro livro.

 

Tomo 3: O Brisingamen, forjado pelos quatro anões que representam os quatro pontos cardeais, é um artefato que dizem que a deusa Freya ostentava como símbolo de beleza e poder, não é à toa que ele representava o Sol, e por isso o derreti e transformei no adorno de cabeça de Sierra, um de meus experimentos oriundos de minha passagem pelo laboratório de somatologia, na época administrado pelo Dr. Wolchev, um lunático que me foi de grande valia com suas cobaias para que eu soubesse criar o receptáculo ideal para a volta de Freya a esse mundo. Não esperava a traição de um de meus cientistas, e a invasão daquele aventureiro ao qual nossa seita transformou num cavaleiro das trevas. Se o fracasso de meus experimentos tivessem parado por aí, não amarguraria em ver que outras tentativas de controlar o poder dos deuses tiveram sucesso e trouxeram consequências fora de nossos objetivos comuns. Pegaram minha pesquisa e aperfeiçoaram, os detalhes explicarei nesse livro. Dizem que até mesmo a alma do próprio Jormungand, que condensa grande tamanho físico e poder, poderia ser armazenada num objeto minúsculo, onde conseguiram algum vestígio dele, através do tempo, não tenho como saber. Mas dizem que Brinsingamen foi roubada por Loki, então, investigando os tesouros dos Gatunos, que tem grande afinidade com o deus da trapaça, não tardei a encontrá-lo.

 

Entediado com aquele monólogo, Seraffyh deita a cabeça sobre os braços e se relembra como ele foi parar naquela biblioteca.

 

 

Exatamente 4100 anos atrás, Geffen:”

 

 

Um odor de carbono invade o ambiente, dando ânsia nos dois, não estava ventando e a circulação de ar era precária, dificultando a saída da fumaça. Uma figura em cinzas se regenerava aos poucos, fio a fio, tecido a tecido, as vestes se alinhavam e ganhavam a cor que havia se perdido, acaso algum ferimento houvesse debaixo daquela roupagem, com certeza também estava se regenerando.

Seraffyh chama a amiga com um gesto de mão para que ela se aproximasse rapidamente, coloca suas mãos sobre o saco de flechas que ela portava, ele diz baixinhoASPERSIO”, e ela sente a energia quente da luz. Sacando uma flecha e posicionando no seu arco, Sheilinha tensiona os músculos dos braços e dispara.

- DISPARO VIOLENTO! ( Disse a musa)

A flecha atravessa o peito, empurrando para trás Belzebu, que não obstante, levanta, puxa a flecha vagarosamente, sentindo a flecha arder sua mão ante a propriedade sagrada.

- Fosse eu um demônio em vez de fantasma teriam mais sucesso. (Disse o ser)

Seraffyh e sua amiga enxergam duas asas surgirem por detrás de Belzebu, era o Grifo de Dante, que surge agarrando os seus ombros e fincando seu bico pontiagudo em seu pescoço, para logo após atirar-se pela sacada em movimento de queda livre. Sheilinha corre até o parapeito e olha abaixo. Belzebu, que tinha força sobre-humana, consegue segurar um dedo das garras grossas do Grifo e quebra-lhe, sendo solto ao ar livre, em queda na direção dos Amaldiçoados Sombrios, que saiam aos montes do térreo da torre.

Lá em baixo, outra luta era travada. Alguns arcanos se somavam à Catherine, Dante e Digo, mas o uso de habilidades mágicas era limitado pela razoabilidade, afinal, muitos cidadãos dormiam ou estavam escondidos em suas casas, e o abuso de magia no meio da cidade era imprudente.

- Por que essas caras maninhos? Digo, bora mostrar para eles! (Disse Dantes)

Dantes se lança à frente em cima do escudo, como se fosse um carrinho de rolimã, derrubando o primeiro Amaldiçoado Sombrio ao chão. Com os dois pés sobre o peito do monstro, ele ergue o escudo para jogá-lo sobre a cabeça dele, esmagando-a.

Sentindo uma enorme lança passar por seu ombro direito, cortando sua armadura, ele ri em deboche, que logo vira excitação. Estava à 20 metros do segundo oponente, ele gira sua Lança Imperial, e corre em combate frente a frente, “DISPARO PERFURANTE”...as armaduras do monstro suportam, 10 metros, “ESPIRAL LUNAR”… o cavalo dobra os joelhos, fazendo com que o cavaleiro caísse, embora rapidamente se erguesse, “ESTOCADA PRECISA”...a lança transpassa a cabeça, derrotando-o.

Digo estava ainda com o terceiro cavaleiro amaldiçoado, insistindo numa luta comum de espada vs espada, com sua Claymore Rubi, de propriedade fogo. Cada toque das espadas ilumina ao redor com fortes clarões. Digo não se intimidava pelo tamanho da espada do oponente. Sua Claymore se imbui de uma claridade amarelada, mas não se tratava de efeito sagrado, a lâmina tinha a cor de metal em forja, mas conservando a dureza da espada. Digo a mantém firme com as duas mãos e contra-atacando a lâmina do oponente, que se parte, voando em direção ao peito de um quarto inimigo.

- “IMPACTO DE TYR!”

A armadura do Amaldiçoado Sombrio não resiste à intensidade e calor do golpe, resultando num corte diagonal que derrete seus órgãos vitais.

Enquanto isso, os arcanos e Catherine estavam segurando os que ainda estavam saindo da torre.

- E se a torre despencar sobre a cidade? (Disse Belzebu, sentado no telhado de uma casa)

- Lute comigo fora da cidade e darei o que quiseres, mande seus servos embora! (Disse Catherine, logo abaixo)

- Ha ha ha, o que eu quero? Mademoiselle, estou tão à toa quanto eles, não são meus servos. (Disse Belzebu)

(…)

- Vou ser mais claro, eu...acredito que tal qual eles, viemos parar aqui e estamos somente seguindo nossa natureza sanguinária. Se bem que...aparecer duas vezes na frente dos dois foi estranho. (Disse Belzebu)

- De quem você esta falando?! (Disse Catherine)

- Adieu madame! (Belzebu sai correndo pelos telhados)

Catherine perde-o de vista. Os arcanos obtém reforços Doram e tem sucesso em imobilizar todos os cavaleiros amaldiçoados, uns petrificados, outros atados por raízes emergindo do chão. A entrada da torre é selada com magia.

O Grifo desce do céu com Seraffyh e Sheilinha; Dantes e Digo se juntam a eles, com as mãos nos ombros um do outro, vitoriosos. Seraffyh esconde em suas vestes um livro azul, ninguém nota.

- Meus queridos o portão não ficará fechado por muito tempo, nem sabemos o que mais nos espera quando abrir. A cidade já esta sendo evacuada, vamos afundar a torre. (Disse Catherine)

- É muito drástico, logo iremos para Glast Heim descobrir a causa de tudo! (Disse Digo)

- Digo! Meu palpite é Juno, não adianta ir pra lá! (Disse Dantes)

-Juno? O que tem de importante lá? (Disse Catherine)

- A biblioteca de Juno contém informações históricas não?! Todos os inimigos de nossa era possuem informações registradas! Mesmo que na forma de mitos, algo pode nos ajudar a saber com o que estamos lidando! (Disse Dantes)

- Calma Dantes, se acalma...quero que voltem para Prontera, avisem as 7 famílias reais para enviarem as guildas vencedoras da Guerra do Emperium para Juno buscar informações. (Disse Catherine)

- Você quis dizer o contrário né? (Disse Dantes)

- Não Dantes, os clãs que irão para Juno, se você estiver certo no seu palpite o inimigo vai querer que continuemos sem respostas, na escuridão e na dúvida, e vai destruir tudo o que possa nos dar uma iluminação. Vão para Glast Heim logo após, será um percurso demorado, mas olhem para mim...acreditem, eu vou estar ao lado de vocês. (Finalizou Catherine)

- Podemos usar o teleporte da Kafra? (Disse Seraffyh)

- Quem? Bom, leve esse livro para Juno assim que possível. (Disse Catherine)

Serrafyh se pergunta se Catherine estava enxergando aquele livro com alguma habilidade especial.

- Kafra Seraffyh? (Pergunta Sheilinha)

Seraffyh se sentiu como um alienígena, perguntou-se em pensamento se havia esquecido de algum acontecimento com a Corporação Kafra, e resolveu calar.

- Estamos todos confusos e cansados, vem Seraffyh...não diga nada amigo. (Disse Digo puxando Seraffyh)

- Estou percebendo que a memória de algumas pessoas esta falhando, mas não com coisas banais amigo, e sim com assuntos que são de notório conhecimento. (Continuou Digo a falar com Seraffyh)

Acima de suas cabeças um aeroplano surge, descendo várias escadas de cordas. Aos poucos, cidadãos sobem, e os jovens aventureiros também. Já no alto, eles observam que Catherine agora estava rodeada por inúmeros invocadores, bruxos, professores, sábios, arcanos, em número que superava os eventos de caça promovidos por Mateus Além.

Os portões se rompem brutalmente e uma bolha gigantesca avança para fora, rastejando dado o grande peso e as pernas curtas, das protuberâncias do que seria sua pele abrem-se olhos, a criatura se esforça repentinamente para elevar seu corpo e soltá-lo ao chão, freneticamente, provocando terremotos, uma das pessoas dentro do aeroplano pergunta se aquele monstro não era o denominado “Origem da Maldição”.

Os especialistas em magia se envolvem em um leito de água, e invocam correntes violentas de água em direção ao monstro, que não consegue mais manter os olhos abertos, a água seguia ao fundo da torre, descendo aos andares abaixo. O plano era inundar a tudo para após congelar tudo o que pudesse sair de lá. Um Doram mais intrépido pula em direção à correnteza e nada em direção ao monstro, se agarrando em uma de suas pálpebras, que se abre. Logo após, usa uma habilidade especial...”INTIMIDAR!” O monstro enxerga uma alucinação vinda daquela habilidade, que inflige medo ao ponto dele se desgrudar do chão, sendo levado pelas águas ao fundo do calabouço. O Doram escapa pulando numa das colunas e se firmando com suas garras afiadas.

Os jovens aventureiros ficam mais tranquilos, o aeroplano parte com dificuldade dado o excesso de peso. O sol começa a aparecer, não se enxerga nenhum vestígio das nuvens vermelhas. A cidade de Geffen fica para trás, a torre se mantém firme e erguida, não foi necessário demolir nada.

Uma hora se passa, Seraffyh sente um peso na sua batina, ele mexe aqui e ali, e olha só, aquele poring estava dormindo.

-Como você se segurou em mim esse tempo todo? (Seraffyh sorri)

- Quem vai comigo para Juno? (Dantes estava na ponta do aeroplano, seu Grifo voava por perto)

- Eu! (Seraffyh segue em direção a ele)

Sheilinha e Digo não criam nenhum óbice, ficaria então com eles a missão de ir à Prontera reportar o ocorrido. Dantes se joga com Seraffyh nas costas do Grifo, o Poring já estava lá, sabe-se lá como. Aos poucos eles se distanciam do aeroplano, e do Grifo se permitia ver com maior esplendor as pradarias, montanhas, rios, além de alguns monstros maiores que de cima pareciam pequenos pontinhos na imensidão de cenários. Rune Midgard era linda, uma geografia diferente para cada microrregião. Por onde passavam, Seraffyh lembrava das músicas que os bardos, em suas campanhas pelo mundo, elaboravam para cada um dos lugares que passavam…

Mais uma hora se passa, o vento fica mais forte, eles voavam contra ele, o Grifo emite um grunhido como que num sinal de alerta. Estavam quase no território de Juno, a cidade voadora perdida, que há muito tempo ficava oculta por magia e tecnologia, feita para assim abrigar o Coração de Ymir, mas isso era uma história antiga.

Adentrando uma névoa fria, eles se dão conta que o sol estava parado faz um tempo, e não amanhecia, cada vez mais condensada a nuvem, eles conseguem sair dela, mas banhados de um líquido tinto, como se fosse vinho.

Eis que o cenário à frente era assustador. A cidade de Juno estava rodeada de rochas flutuantes, e logo abaixo da cidade flutuante, uma cratera maior que ela, parecendo um buraco de minhoca de tão fundo, no qual as águas do oceano eram tragadas. Dantes e Seraffyh se questionam se um monstro teria feito aquilo.

O sol agora estava se pondo, o que pareceu um absurdo para os dois, já que há alguns minutos, antes de passarem pela névoa, o sol ainda estava nascendo. O Grifo adentra a cidade, e pousa em frente à Biblioteca, único estabelecimento que não estava em ruínas. A imagem dela se distorce aos olhos de Dantes, como se fosse um prédio fantasma, mas eles resolvem entrar.

Em seu interior, tudo intacto, algumas prateleiras sumiam e reapareciam, Dantes não era familiarizado com tecnologia, mas sabia que os robôs de Juperos e o próprio aeroplano eram uma prova que ela existia, sua mãe era uma estudiosa do assunto e levava algum de seus experimentos para casa, os quais ele admirava. Segurando um livro na mão, ele tem a impressão de tratar-se de um holograma muito avançado, nenhum peso, mas manuseável, dava para folhear e ler, era uma sensação estranha.

No meio do salão, um único caderno entre livros:

 

Se vocês estão lendo essas palavras, fiquem tranquilos, estão em um lugar seguro no meio do nada, e isso não é uma metáfora, não há nada lá fora que possa incomodar sua leitura. Acaso algum vestígio de ruídos abaixo da cidade seja ouvido, basta acionar a alavanca perto do Livro de Ymir, o qual vocês facilmente reconhecerão, já que acredito que a maioria de nossos aventureiros já efetuou o teste de transclasse. Mais um aviso, só tem o suficiente para mais dois disparos, e seria interessante verificar se não é o barulho de uma tempestade, já que atingir o magma da terra faria emergir dióxido de enxofre, sulfureto de hidrogênio, dióxido de carbono e outros gases que matariam a todos da cidade, ou melhor, vocês, pois como eu disse, não há mais ninguém aqui.

Ignatz Gaebold, 01 de M. de 1049 D.G.

 

 

Dante vira algumas páginas antes:

 

Descobrimos, essa é a resposta, me disseram que não era pertinente no momento, mas como é possível manter-se indiferente quando se pode evitar o Dia do Desespero? Tenho em minhas mãos toda a informação que preciso para deter Sarah Irine, e ainda dar um futuro diferente a ela, menos sofrido. Pedi para dois de meus amigos, fiéis à minha família, para executarem a missão, mas dei dois rumos para eles e um não sabe o que o outro tem de executar, embora parte da trajetória os dois realizarão juntos. Quem diria, que uma simples alteração de um evento traria mudanças tão drásticas.

I.Gaebold. 28 de S. de 998 D.G.

Agora é com você, eles precisam que vocês façam sua parte.”

 

Dante percebe pela tinta da última frase que ela foi escrita em momento posterior ao primeiro parágrafo. Os traços pareciam também mais cansados e difíceis de entender.

                                                   (final da parte 3, continua...)

 

Criado por Diego Maxuel (um dos meus pseudônimos). 

 

 

 

 

 

Edited by DiegoMaxuel

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


×
×
  • Create New...

Important Information